La Storia della Navigazione

Este magnífico livro editado em Maio de 2016 pela Passenger Press (www.passengerpress.com), reúne muitas pranchas inéditas de Caprioli, pertencentes ao acervo de sua filha Fulvia. Com tiragem reduzida, 88 páginas (na grande maioria de banda desenhada), em papel de boa gramagem, excelente impressão e prefácio de Paolo Maini (Un mare di puntini), La Storia della Navigazione é uma obra que qualquer admirador da arte de Franco Caprioli gostaria de ter na sua estante.

O sumário, com textos também inéditos do próprio Caprioli — cuja assombrosa erudição fica, mais uma vez, demonstrada —, vai desde as primeiras navegações dos homens pré-históricos e das explorações dos fenícios, cartagineses, romanos, vikings e outros povos de épocas remotas, até aos descobrimentos portugueses e espanhóis do século XV, com destaque para as viagens de Bartolomeu Dias e de Cristóvão Colombo, terminando com a morte deste último, em 1506.

O mesmo tema, embora com outro enquadramento, já tinha sido abordado por Caprioli noutra série didáctica, Storia della Scoperta della Terra (História da Descoberta da Terra), cujos artigos, com texto de Guglielmo Valle, foram publicados no Il Vittorioso em 1958, aparecendo também nos primeiros números do Zorro, revista editada pela Empresa Nacional de Publicidade, que sucedeu em 1962 ao Cavaleiro Andante.

É essa série que começaremos em breve a apresentar aos nossos leitores, a propósito das viagens de descoberta, num mundo ainda desconhecido, e dos feitos dos grandes navegadores e exploradores que Caprioli retratou também no seu livro póstumo La Storia della Navigazione.     

Magnífica prancha de Caprioli colorida especialmente para a edição da Passenger Press

Anúncios

Caprioli e a Pré-História – 5

Soberba prancha de Franco Caprioli para um trabalho inédito sobre a Pré-História (Paleolítico Superior), um dos temas favoritos do saudoso Mestre italiano, por nele poder dar vazão não só ao seu talento artístico como aos seus profundos conhecimentos da história da Humanidade em áreas como a Antropologia, a Arqueologia, a Etnologia e outras ciências relacionadas com as épocas mais remotas.

Histórias inglesas de Caprioli – 7

“O RAPAZ QUE  CONQUISTOU UM IMPÉRIO”

Franco Caprioli foi, indiscutivelmente, um dos melhores desenhadores italianos que passaram por revistas inglesas, durante os anos 1960, mas devido à sobriedade do seu estilo — próximo da “linha clara”, em absoluto contraste com o expressionismo da moderna escola americana, introduzida em Itália na década anterior — nunca alcançou o mesmo êxito, junto do público e dos editores ingleses, que alguns dos seus compatriotas oriundos de uma geração mais jovem, como Hugo Pratt, Ruggero Giovannini, Renato Polese, Sergio Tarquinio e Gino d’Antonio.

No entanto, não lhe faltaram encomendas de trabalho, através do estúdio de Alberto Giolitti, e mesmo sem ter criado nenhuma série especial ou personagens que se gravassem indelevelmente na memória (salvo Olac, o Gladiador, herói de larga fama que passou por várias mãos, incluindo as de Giovannini), o seu percurso nas revistas britânicas foi também digno de nota, abrangendo títulos como Ranger, Look and Learn, Lion, Tiger e Tina, entre outros.

No Lion, o semanário juvenil de maior tiragem e popularidade editado nessa época pela Amalgamated/Fleetway, surgiram, como já referimos, algumas narrativas curtas inspiradas em factos verídicos, sob a epígrafe Bravest of the Brave (como a batalha do Álamo, o cerco de Pequim, a odisseia do Capitão Scott, a viagem de Shackleton, a primeira travessia da Austrália, etc.), que foram esporadicamente publicadas nalgumas revistas portuguesas, sempre mantendo o anonimato de Caprioli, como nas suas congéneres britânicas.

Ao mesmo tipo de relatos pertence a história de Gengis Khan, o lendário guerreiro mongol (de seu verdadeiro nome Temujin) que criou um vasto império nas estepes  asiáticas, depois de ter sido escravizado e condenado à morte quando ainda era muito jovem — episódio esse narrado por Caprioli em imagens de grande perfeição, como sempre foi seu timbre (e em que também há vigor e dinamismo), publicadas num almanaque anual (1968) da revista Champion, outro semanário juvenil da Fleetway.

Esta história, com quatro páginas apenas, faz parte das que tiveram tradução portuguesa em revistas de pequeno formato, no caso vertente a Colecção Condor Popular nº 8 (vol. 73), de onde a extraímos para termo de comparação com o original. Claro que as diferenças são muitas, a começar pela cor em duas páginas.

Também não falta o “carimbo” da CP, de uso obrigatório em todas as publicações da Agência Portuguesa de Revistas, que tinha de recorrer aos comboios como meio de transporte para chegar mais economicamente a todos os pontos do país. Vá lá que escolheram uma vinheta onde a arte de Caprioli não sofreu grandes danos. Mas o formato muito reduzido (metade do A5) e a deficiente impressão estragaram tudo. Gengis Khan e Caprioli mereciam melhor!

A vida trágica de Emilio Salgari

Artigo publicado no 3º e último fascículo da colecção “O Corsário Negro” (suplemento do Mundo de Aventuras), editada em 1977/1978 pela agência Portuguesa de Revistas, com uma tiragem de 10.000 exemplares (mas hoje extremamente rara), e dedicada a um dos mais extraordinários personagens criados pela febril imaginação de Emilio Salgari, cuja atribulada existência decorreu de 21 de Agosto de 1862 a 25 de Abril de 1911, dia em que se suicidou, apunhalando-se, num bosque de Turim.

Caprioli foi indiscutivelmente um fervoroso admirador da sua obra, buscando inspiração em muitos dos seus temas e chegando inclusive a colaborar com Luigi Motta (o maior discípulo e continuador de Salgari) na deslumbrante aventura “O Elefante Sagrado”, cujas afinidades com os cenários exóticos fantasiados pelo grande romancista nascido em Verona são bem evidentes.

Esta magnífica prancha pertence à história “O Elefante Sagrado”, publicada em 1949 no semanário Il Vittorioso, com desenhos de Caprioli e argumento de Luigi Motta, que evoca irresistivelmente o cenário exótico e misterioso de um dos melhores romances de Emilio Salgari: “Os Mistérios da Floresta Negra”.

Caprioli e a Pré-História – 4

Esta página com um artigo de António Dias de Deus, baseado na magnífica ilustração de Caprioli que serviu de capa ao nº 1 (2ª série) do fanzine Cadernos de Banda Desenhada (Novembro 1995) — onde foi publicada a história “Uma Estranha Aventura”, um dos mais perfeitos exemplos do primor artístico e da vasta erudição do mestre italiano, até em domínios reservados a especialistas como a Paleontologia, a Antropologia e a Etnologia —, era destinada à 2ª edição desse fanzine, que por motivos de força maior não chegou a concretizar-se.

Trata-se, pois, de um artigo inédito que muito nos apraz divulgar neste blogue, com a devida vénia ao seu autor, um dos mais notáveis críticos e historiadores da BD portuguesa, de quem infelizmente há muito não nos chegam notícias.

Histórias do mar – 3

Dando seguimento à divulgação de um trabalho de Jorge Magalhães publicado em 2012 pela Câmara Municipal de Moura e pelo Grupo Gicav (de Viseu), no âmbito da exposição comemorativa do centenário de Franco Caprioli, o desenhador poeta, apresentamos mais oito páginas de outro capítulo do e-book editado pelo Gicav, com uma pequena tiragem de 50 exemplares.

Neste capítulo, dedicado às histórias do mar, um dos temas favoritos de Caprioli, figuram três episódios reproduzidos do semanário Il Giornalino, onde é bem patente a perfeição com que o mestre italiano retratava o mar e os seus habitantes, os navios e os homens que os manobravam.

A terceira dessas histórias (todas de ambiente contemporâneo), com argumento de O. Saibari, baseado em factos verídicos, intitula-se “Balene d’assalto” e foi publicada no nº 22 (1973) da citada revista juvenil, que para Caprioli constituiu um ponto de viragem no último período da sua carreira.

Caprioli e a natureza – 3

Trazemos-lhes hoje, como uma das curiosidades desta rubrica, mais uma magnífica ilustração de Caprioli oriunda da série didáctica Popoli e Paesi (Povos e Países), dada à estampa na revista Il Vittorioso, que como muitos dos nossos leitores já sabem foi aquela onde o grande mestre italiano colaborou mais assiduamente, durante as primeiras décadas da sua fértil carreira.

A segunda curiosidade refere-se ao mesmo cenário, o Oeste americano, e a uma das criações mais singulares e primorosas (tanto em relação ao herói principal como aos desenhos) que saíram das mãos de Caprioli: Dakota Jim, o Cowboy Verde. Bastou o título desta história, dividida em duas partes, para aguçar o interesse dos leitores quando foi estreada no nº 144 do Cavaleiro Andante, em Outubro de 1954. Infelizmente, Caprioli desenhou poucas histórias de cowboys, embora o tema o seduzisse, sem a menor dúvida, pois oferecia-lhe a oportunidade de espraiar a sua arte pela fauna, pelo folclore (sobretudo o das tribos índias) e pelas deslumbrantes paisagens do Faroeste americano, como esta aventura comprova em muitas das suas vinhetas.

Mas o Cavaleiro Andante pregou aos leitores uma partida, omitindo sem explicação uma das últimas páginas da história, por sinal recheada também de majestosos quadros da natureza selvagem. Claro que nenhum leitor da revista se apercebeu disso, porque a sequência das cenas (entre os nºs 167 e 168) não parecia interrompida. Caprioli, com o seu lento ritmo narrativo e o seu amor pela natureza, explorava sempre mais o ambiente e a caracterização das personagens do que a própria intriga — para ele um elemento quase secundário perante a beleza e o requinte estético das imagens com que decorava as suas páginas.

Em Dakota Jim, o Cowboy Verde o argumento (sem qualquer relação com temas ecológicos, diga-se de passagem) até era um bom suporte dessa arte narrativa, cuja serena harmonia tanto encantava os leitores de todo o mundo. Embora Caprioli fosse nitidamente um admirador das famosas séries B que, ainda no tempo do cinema mudo, entusiasmavam a juventude, com os seus cowboys ágeis, românticos e destemidos — como Buck Jones, Tom Mix, Tim McCoy e muitos outros —, Dakota Jim estabelece uma curiosa ponte entre esses primeiros e convencionais westerns, recheados de lutas, cavalgadas e tiroteios, com a acção e os heróis mais consistentes dos seus sucedâneos (sobretudo a partir dos anos 1940), cujos realizadores começavam também a descobrir a importância dos cenários naturais para cativar as audiências.

Muitos anos depois do Cavaleiro Andante ter publicado esta belíssima história, eu e o José Pires — que editávamos um fanzine chamado Fandwestern, inteiramente dedicado ao universo do Oeste americano, como o próprio título indica — resolvemos recuperá-la, com todo o afã, reproduzindo em modestas fotocópias a preto e branco as páginas que Caprioli tinha magistralmente desenhado para nosso deleite, quando éramos mais jovens. E até conseguimos encontrar, numa revista francesa (pois não possuíamos o Il Vittorioso), a página que faltava no Cavaleiro Andante.

Lamentavelmente, nenhum de nós possui ainda a versão original dessa página, mas aqui fica a que publicámos no nº 7 do Fandwestern (Junho de 1996), completando assim, embora sem as magníficas cores de Caprioli, a versão portuguesa de uma das suas melhores criações dos anos 1950 — uma pausa (de certa forma, insólita) no género que mais lhe agradava e que lhe deu maior êxito: as grandes epopeias históricas como Aquila Maris (A Águia dos Mares), Hic Sunt Leones (Através do Deserto), L’Ussaro della Morte (O Hussardo da Morte), Una Strana Avventura (Uma Estranha Aventura) e Al di là della Raya (A Primeira Volta ao Mundo).

Previous Older Entries

Le chat dans tous ses états - Gatos... gatinhos e gatarrões! de Catherine Labey

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

largodoscorreios

Largo dos Correios, Portalegre

Interesting Literature

A Library of Literary Interestingness

almanaque silva

histórias da ilustração portuguesa