Caprioli e a Pré-História – 4

Esta página com um artigo de António Dias de Deus, baseado na magnífica ilustração de Caprioli que serviu de capa ao nº 1 (2ª série) do fanzine Cadernos de Banda Desenhada (Novembro 1995) — onde foi publicada a história “Uma Estranha Aventura”, um dos mais perfeitos exemplos do primor artístico e da vasta erudição do mestre italiano, até em domínios reservados a especialistas como a Paleontologia, a Antropologia e a Etnologia —, era destinada à 2ª edição desse fanzine, que por motivos de força maior não chegou a concretizar-se.

Trata-se, pois, de um artigo inédito que muito nos apraz divulgar neste blogue, com a devida vénia ao seu autor, um dos mais notáveis críticos e historiadores da BD portuguesa, de quem infelizmente há muito não nos chegam notícias.

Caprioli e a natureza – 3

Trazemos-lhes hoje, como uma das curiosidades desta rubrica, mais uma magnífica ilustração de Caprioli oriunda da série didáctica Popoli e Paesi (Povos e Países), dada à estampa na revista Il Vittorioso, que como muitos dos nossos leitores já sabem foi aquela onde o grande mestre italiano colaborou mais assiduamente, durante as primeiras décadas da sua fértil carreira.

A segunda curiosidade refere-se ao mesmo cenário, o Oeste americano, e a uma das criações mais singulares e primorosas (tanto em relação ao herói principal como aos desenhos) que saíram das mãos de Caprioli: Dakota Jim, o Cowboy Verde. Bastou o título desta história, dividida em duas partes, para aguçar o interesse dos leitores quando foi estreada no nº 144 do Cavaleiro Andante, em Outubro de 1954. Infelizmente, Caprioli desenhou poucas histórias de cowboys, embora o tema o seduzisse, sem a menor dúvida, pois oferecia-lhe a oportunidade de espraiar a sua arte pela fauna, pelo folclore (sobretudo o das tribos índias) e pelas deslumbrantes paisagens do Faroeste americano, como esta aventura comprova em muitas das suas vinhetas.

Mas o Cavaleiro Andante pregou aos leitores uma partida, omitindo sem explicação uma das últimas páginas da história, por sinal recheada também de majestosos quadros da natureza selvagem. Claro que nenhum leitor da revista se apercebeu disso, porque a sequência das cenas (entre os nºs 167 e 168) não parecia interrompida. Caprioli, com o seu lento ritmo narrativo e o seu amor pela natureza, explorava sempre mais o ambiente e a caracterização das personagens do que a própria intriga — para ele um elemento quase secundário perante a beleza e o requinte estético das imagens com que decorava as suas páginas.

Em Dakota Jim, o Cowboy Verde o argumento (sem qualquer relação com temas ecológicos, diga-se de passagem) até era um bom suporte dessa arte narrativa, cuja serena harmonia tanto encantava os leitores de todo o mundo. Embora Caprioli fosse nitidamente um admirador das famosas séries B que, ainda no tempo do cinema mudo, entusiasmavam a juventude, com os seus cowboys ágeis, românticos e destemidos — como Buck Jones, Tom Mix, Tim McCoy e muitos outros —, Dakota Jim estabelece uma curiosa ponte entre esses primeiros e convencionais westerns, recheados de lutas, cavalgadas e tiroteios, com a acção e os heróis mais consistentes dos seus sucedâneos (sobretudo a partir dos anos 1940), cujos realizadores começavam também a descobrir a importância dos cenários naturais para cativar as audiências.

Muitos anos depois do Cavaleiro Andante ter publicado esta belíssima história, eu e o José Pires — que editávamos um fanzine chamado Fandwestern, inteiramente dedicado ao universo do Oeste americano, como o próprio título indica — resolvemos recuperá-la, com todo o afã, reproduzindo em modestas fotocópias a preto e branco as páginas que Caprioli tinha magistralmente desenhado para nosso deleite, quando éramos mais jovens. E até conseguimos encontrar, numa revista francesa (pois não possuíamos o Il Vittorioso), a página que faltava no Cavaleiro Andante.

Lamentavelmente, nenhum de nós possui ainda a versão original dessa página, mas aqui fica a que publicámos no nº 7 do Fandwestern (Junho de 1996), completando assim, embora sem as magníficas cores de Caprioli, a versão portuguesa de uma das suas melhores criações dos anos 1950 — uma pausa (de certa forma, insólita) no género que mais lhe agradava e que lhe deu maior êxito: as grandes epopeias históricas como Aquila Maris (A Águia dos Mares), Hic Sunt Leones (Através do Deserto), L’Ussaro della Morte (O Hussardo da Morte), Una Strana Avventura (Uma Estranha Aventura) e Al di là della Raya (A Primeira Volta ao Mundo).

Caprioli e a religião – 1

Artista singular, de excepcional génio criativo, totalmente dedicado à sua vocação de pintor e ilustrador, para quem os fumetti eram um meio eficaz de familiarizar os jovens com a arte e a cultura, como se estas fossem um prolongamento da aventura e da fantasia, Caprioli demonstrou também ser um homem de fé e de profunda religiosidade, que se norteava por valores cristãos, patentes, aliás, em muitas das suas melhores obras — como nestas belas páginas do drama histórico “O Fugitivo da Torre Vermelha” (Rose Fra le Torri), publicadas no Cavaleiro Andante nºs 69, 70 e 71, de 25 de Abril a 5 de Maio de 1953.

Com admirável autenticidade, Caprioli retratou a Itália medieval no século XIII, que saía penosamente do obscuro período do feudalismo, graças à acção de homens como Frei Francisco, chamado “o Santo de Assis”, e dos seus fiéis discípulos, que se despojavam dos bens temporais, renegando o egoísmo, a vaidade, a sede de riquezas e de poder, para ajudarem os pobres e os desamparados, levando-lhes a fé, a esperança e a caridade, com o exemplo da sua vida dedicada ao trabalho, à pobreza e ao apostolado.

No fundo, valores que Caprioli também professava espiritualmente, vivendo com modéstia, dedicando-se com devoção ao seu trabalho e procurando incutir nos jovens, através do conceito moral das suas histórias, virtudes franciscanas como a generosidade, a humildade e o amor ao próximo.

Caprioli e a Pré-História – 3

Desenhador de excepcionais dotes artísticos, aliados a uma profunda cultura sobre os mais diversos temas — como a Paleontologia, a Arqueologia, a Etnologia, a História da Antiguidade e as Ciências Náuticas, por exemplo —, Caprioli não se limitou a realizar histórias aos quadradinhos de fundo aventuroso, para deleite dos leitores do Topolino, do Giramondo, do Argentovivo! ou do Il Vittorioso.

O seu objectivo era também transmitir aos jovens, de forma amena, essa vasta soma de conhecimentos através de rubricas didácticas como Popoli e Paesi, Storia della Nave, Figurini di Ogni Epoca, L’Italia nella Preistoria, publicadas no Il Vittorioso, a revista que acolheu algumas das suas maiores criações, entre os anos de 1937 e 1964.

O sucesso dessas rubricas, profusamente ilustradas e com textos redigidos inteiramente por Caprioli, espelha bem o seu interesse lúdico e o saber do Mestre, que não ficava aquém da beleza da sua arte figurativa — como demonstram as duas páginas aqui reproduzidas.

Caprioli ilustrador – 2

Nos anos 30, ainda antes de iniciar uma frutuosa carreira como autor de fumetti (isto é, histórias aos quadradinhos), Franco Caprioli, fascinado pelos ícones da literatura russa — como Tolstoi, Gogol e Dostoiewsky —, realizou várias ilustrações inspiradas nalgumas das suas obras, com um estilo modernista, muito influenciado pelos cultores da chamada “Arte Nova”.

Curiosamente, foi esse estilo que adoptou nas suas primeiras histórias publicadas em revistas para jovens, nomeadamente no Argentovivo! e no Il Vittorioso, como, por exemplo, Gino e Piero, La Sponda delle Chimere e Il Mistero del Budda di Giada. As suas primeiras experiências com o “pontilhado”, para dar mais sombras e volumes às figuras que desenhava (quase só com linhas de contorno), vieram mais tarde, numa fase de amadurecimento estético que já prenunciava, em criações como L’Isola Giovedi e Nel Deserto di Cartagine, as suas futuras obras-primas, produzidas, sobretudo, nos anos 50.

Quanto aos grandes escritores russos, Caprioli captou-lhes, nas suas ilustrações, o realismo, a paixão e a alma — com tanto rigor que até usava como veste, nessa época, a tradicional rubaska de Tolstoi, para exprimir a sua comunhão de ideais com o autor de Guerra e Paz. Que pena não ter ido mais longe, antecipando, com esses tesouros da literatura, a sua auspiciosa estreia nos fumetti.

Na primeira metade da década de 30, Caprioli (que se fixara, então, em Roma) dedicou-se à carreira de desenhador e pintor, interessando-se também por obras de outros escritores, seus contemporâneos, que ilustrou com a mesma sofisticação de estilo — como demonstram as páginas seguintes, extraídas do catálogo Caprioli Inedito, editado em 1984 pelo Fumetto Club de Turim, no âmbito de uma exposição evocativa do 10º aniversário do seu falecimento.

caprioli-ilustracoes-3-049

As 12 histórias mais belas de Caprioli – 3

Capa DVD CaprioliA escolha das “12 histórias mais belas de Caprioli” foi feita com base num inquérito entre cinco pessoas que participaram activamente nos eventos comemorativos, em meados de 2012, do centenário do “desenhador poeta”, numa organização conjunta da Câmara Municipal de Moura e do GICAV (Viseu): Carlos Rico, Luiz Beira, Jorge Magalhães, Carlos Almeida e Fulvia Caprioli (esta como grande especialista e divulgadora da obra de seu pai).

Aqui têm mais algumas páginas desse trabalho com as mais belas histórias do mestre italiano (nenhuma foi deixada de fora), nas versões originais e pela ordem em que foram classificadas, todas fazendo parte de um e-book (dvd) produzido, em Agosto de 2012, pelo GICAV – Grupo de Intervenção e Criatividade Artística de Viseu, com muito material inédito no nosso país. Alguns exemplares desse e-book poderão ainda estar disponíveis, assim como do fanzine editado pela Câmara Municipal de Moura.

Advertência aos leitores: o episódio L’Isola Tabu, publicado em 1945, é a única excepção à regra, nesta primeira parte da tabela, pois ficou em 15º lugar, com 11 pontos, mas foi colocado a par de L’Isola Giovedi (11º classificado), por se tratar de histórias cuja temática é muito semelhante e que Caprioli, aliás, sempre prezou como dois dos seus melhores trabalhos. O 12º lugar coube a outra obra de grande beleza figurativa, publicada em 1954 no Il Vittorioso: Dakota Jim, o Cowboy Verde, um dos raros westerns com a assinatura de Caprioli, que deslumbrou também muitos leitores do Cavaleiro Andante.

Layout 1

Layout 1

Layout 1

Layout 1

Layout 1

Layout 1

As 12 histórias mais belas de Caprioli – 2

Capa revista Caprioli 150Como já referimos, a escolha das “12 histórias mais belas de Caprioli” foi feita com base num inquérito entre cinco pessoas que participaram activamente nos eventos comemorativos, em 2012, do centenário do “desenhador poeta”, numa organização conjunta da Câmara Municipal de Moura e do GICAV (Viseu): Carlos Rico, Luiz Beira, Jorge Magalhães, Carlos Almeida e Fulvia Caprioli.

Cada voto numa história equivalia a x pontos (escala de 1 a 12) e do seu somatório nas tabelas individuais resultou o quadro com a classificação geral, que aqui reproduzimos recentemente, dando também a conhecer outros títulos votados no inquérito, mas que ficaram de fora desse quadro por terem tido menos pontuação ou menos votações (caso de “Os Pescadores de Pérolas”, com os mesmos 13 pontos do 12º classificado, mas apenas com dois votos).

Num inquérito mais alargado, surgiriam certamente alterações significativas, com algumas histórias a reforçar posições e outras, em lugares mais precários, a sair da tabela. Há, no entanto, uma variante de certa importância, pois Fulvia Caprioli votou numa escala mais genérica, abrangendo histórias inéditas em Portugal, como L’Isola Tabù, Il segno insanguinato e Moby Dick (2ª versão, publicada postumamente em 1975), e Carlos Rico escolheu outra história desconhecida entre nós: “A Patrulha Branca” (La Patrouille Blanche).

Aqui têm mais algumas páginas desse trabalho com as mais belas histórias de Caprioli, nas versões originais e pela ordem em que foram classificadas, todas fazendo parte de um e-book (dvd) editado em Agosto de 2012 pelo GICAV – Grupo de Intervenção e Criatividade Artística de Viseu.

Layout 1

Layout 1

Layout 1

Layout 1

Layout 1

Layout 1

Layout 1

Layout 1

Layout 1

Previous Older Entries

Le chat dans tous ses états - Gatos... gatinhos e gatarrões! de Catherine Labey

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

largodoscorreios

Largo dos Correios, Portalegre

Interesting Literature

A Library of Literary Interestingness

almanaque silva

histórias da ilustração portuguesa